24 Horas de Amor

 

Bruno e Marrone

 
Quando acordei pela manhã
senti um perfume que há muito, muito tempo não sentia.
Olhei depressa ao meu redor
e apalpei o seu lugar, em nossa cama tão vazia.
Eu, que cheguei de um sonho bom,
chorei ao ver tudo acabado, tanto amor, tanta doçura.
Mas o perfume era real
e acreditei estar ali, sua presença de ternura.
E de repente vi você sair com a toalha no seu corpo
e se agarrar em mim
como nos velhos tempos de amor tão loucos.
Nada mais sei de nós,
porque morremos abraçados no desejo,
na doação total,
perdidos na loucura desses beijos.
A tarde nos surpreendeu
e, no delírio do desejo, nem um pouco mais dormimos,
porque o amor pedia bis,
e outra vez nos abraçamos,
tudo de novo repetimos.
E nesse fogo da paixão,
vivemos 24 horas sem sair de nossa alcova.
Esse prazer nunca parou,
porém o nosso grande amor todos os dias se renova.
E de repente vi você sair com a toalha no seu corpo
e se agarrar em mim
como nos velhos tempos de amor tão loucos.
Nada mais sei de nós,
porque morremos abraçados no desejo,
na doação total,
perdidos na loucura desses beijos.
 
 

Voltar

| 1| 2| 3| 4| 5| 6| 7| 8| 9| 10| 11| 12| 13| 14| 15| 16| 17| 18| 19| 20| 21| 22| 23| 24| 25| 26| 27| 28| 29| 30| 31| 32| 33| 34| 35| 36| 37| 38| 39| 40| Próxima ->